Resenha: Lodoss Tousenki ━ Eiyuu Kishi Den

heroic_knight_05_cover

Olá, leitores! Finalmente estamos aqui, na última resenha da franquia de Lodoss War, a última história de bravos heróis nesta terra condenada ao conflito: Eiyuu Kishiden ou como é o titulo brasileiro, A lenda do Cavaleiro.

Parabéns a todos que acompanharam essa leitura aí em suas casas, espero que tenham apreciado tanto quanto eu, esta fantasia épica. Sentirei saudades da terra de Lodoss, do poder da mana, do mundo de cavaleiros e sacerdotes e imagino que quem leu, compartilha deste sentimento.

heroic_knight_01_pg_031

Na resenha passada, eu havia dito que troquei a ordem da história, mas me confundi. Existe um outro mangá de Lodoss onde é contado sobre a caçada de Parn e Deedlit a feiticeira Karla, ele está entre os dois que li, mas não foi publicado no Brasil. Lerei ele sim, mas em outro momento, pois sinto a necessidade de trazer outros materiais a vocês depois de tanto focar em Lodoss War.

Caso você esteja chegando agora nesse barco, não tema! Apenas leia as resenhas anteriores no meu blog (recomendo abrir no navegador externo), cujo links seguem abaixo:

Pharis no Seijo
Haiiro no Majo
Deedlit’s Monogatari

Informações técnicas

Título: ロードス島戦記 英雄騎士伝
Gêneros: Shounen, aventura, fantasia, drama, romance
Volumes: 6
Status: Completo
Roteiro: Mizuno Ryo
Ilustrador(a): Natsumoto Masato
Ano: 1998
Editora: Kadokawa Shoten
Serializado em: —
Licenciado no Brasil? Sim
Editora: Panini
Ano: 2006
Preço: R$ 9,50

Sinopse

heroic_knight_08_pg_029Depois da guerra entre heróis, que encerrou com o Imperador das Trevas e o Rei Fahn se matando, muito tempo se passou em Lodoss, mas o mesmo conflito persiste. A terra amaldiçoada de Marmo invade e conquista as terras de Lodoss afim de unificá-la sob um único comando, o do cavaleiro negro, mas o Rei Kashue não irá permitir que tal unificação insana seja completa! Revemos os antigos heróis e companheiros de história e conhecemos os novos. O aprendiz de cavaleiro Spark, vai aprender o que é preciso para ser um verdadeiro cavaleiro enquanto tenta proteger Neece, a sacerdotisa de Marfa amaldiçoada, que se tornou a chave para o retorno da Deusa da destruição Kardis.

Mais uma vez ,corajosos heróis lutarão para salvar o mundo.

“Ao Sul do continente Alecrast…A ilha que convulsiona desordem e caos
Lodoss…Oh! Ilha de Lodoss!
Esta ilha fascinou o deus da guerra, Myri…

E acumula histórias de guerras ininterruptas…

No princípio, a Guerra dos deuses da Luz e das Trevas, há quarenta anos.
Há quinze anos ocorreu A Guerra dos Heróis…
Mesmo tenebrosa e trágica, tal história gerou inúmeros heróis.

E o povo enaltecerá eternamente as histórias dos heróis da amaldiçoada ilha de Lodoss.”

Lodoss War – A lenda do Cavaleiro. Pag. 18-19.

heroic_knight_16_pg_098_099

O eterno aprendiz de cavaleiro e suas desventuras honradas

Para a resenha de um mangá de seis volumes, eu estranhamente quero ser breve. Não por ter pressa ou não ter gostado da história e sim porque não é muito simples descrevê-la com cuidado a todos vocês, sem revelar eventos chave. O que vou fazer é dar uma pincelada caprichada da história para instigá-los a irem atrás dessa leitura!

Para os que já conhecem Lodoss War essa resenha é muito mais fácil de compreender e encaixar eventos, mas vou tentar englobar os novos leitores que por curiosidade acabaram nesta resenha.

heroic_knight_01_pg_022Cerca de quinze anos se passaram desde ‘A história de Deedlit’ e agora novos reis estão ao trono, enquanto novos inimigos também vem do horizonte amaldiçoado chamado Marmo, para que com sua magia proibida e numerosos exércitos de monstros consiga criar um tipo de paz fundamentado em muito sangue derramado. Todos sabemos que as terras de Lodoss são fadadas a conflitos eternos onde dois ideais opostos, não necessariamente um certo e um errado, se confrontam. Apesar da guerra ser parte da linha principal da história, várias pequenas coisas acontecem paralelas a isso e essa história de Lodoss War teve o tempo necessário para nos mostrar o andamento das duas jornadas.

Para os que lembram do jovem sacerdote de Pharis chamado Etoh, agora ele é um grande rei capaz de tudo para proteger o seu país sagrado. Sua devoção é sem igual e ele resiste bravamente contra as investidas de Marmo.

heroic_knight_01_pg_007Nos desertos temos o Rei Kashue que luta contra a dominação de Marmo com suas tropas, compostas em grande parte por cavaleiros mercenários, sua força de combate mais temida. É aí que conhecemos nosso protagonista, o aprendiz de cavaleiro Spark. Sendo o único herdeiro ao trono da tribo da chama após os conflitos com a tribo do vento, Spark vai inevitavelmente se tornar um líder e não um guerreiro, mas com sua personalidade determinada e seu pequeno rebeldismo contra o destino, Spark quer mesmo é se tornar um cavaleiro nomeado! Ele é uma versão mais nova e muito mais cabeçuda do nosso adorado cavaleiro livre Parn, mas infelizmente todos os anos ele falha em ser nomeado e se torna cada vez mais frustrado, confrontando até o seu rei sobre isso. Spark não consegue ver o que outros mais experientes conseguem: que ele tem um destino bem diferente a cumprir.

Em mais um de seus momentos de frustração, Spark acaba presenciando um roubo violento da sala do tesouro do castelo do Rei Kashue, realizado pelos corrompidos Elfos Drow (que fui informada que é só Drow, pois, só essa palavra significa elfo negro…falha da panini, fazer o que), que tinham como objetivo roubar um artefato chamado de ‘esfera de cristal das almas’, um artefato que pode levar a destruição não só de Lodoss, mas do mundo todo. E é aí que a nossa história finalmente começa!

heroic_knight_03_pg-_73Com uma ajuda mais para o lado de conselheiros de Deedlit e Parn e a orientação do Rei Kashue, Spark é ordenado a recuperar o artefato roubado para recuperar sua glória como aprendiz de cavaleiro e a ele é dado um grupo excepcionalmente forte para uma missão que parece muito simples. Se lembram da meia-elfa Leaf? Ela é uma guerreira mercenária com conhecimentos de magia elemental e combate corpo a corpo junto ao seu colega Garrack, um típico guerreiro grandalhão, muito forte, mas com um grande coração. Um grupo de aventura não está completo sem um mago e o fervoroso Aldonova, discípulo de Slayn se junta a eles tanto por seus motivos quanto pelos de Spark e claro que temos um anão e não apenas um anão! Um clérigo do deus da guerra Myri chamado Greevus que com sua fé e seu machado, se junta ao grupo para dar uns tapas na cara de Spark e ajeitar sua cabeça, assim como para curar os feridos e é claro, não é um grupo de RPG, digo, de Lodoss, sem um ladino! Temos uma bela, forte e determinada ladina extremamente habilidosa na jornada, chamada Ryna.

heroic_knight_06_pg_146

Os aventureiros partem em uma missão que pode salvar ou condenar o mundo todo e nosso protagonista nem tem conhecimento disso, mas em seu caminho eles não estão sozinhos, pois, uma figura misteriosa os acompanha. É ela a sacerdotisa da deusa mãe da terra Marfa, Neece. Sim, ela é a filha de Slayn e neta da Neece que conhecemos na história de A dama de Pharis. Mesmo que ela tenha apenas treze anos, é muito poderosa e domina as artes arcanas do seu clericato com maestria.

heroic_knight_02_pg-_49Enquanto isso em Marmo a guerra é o único motivo unificando o povo e movendo-os através dos dias, mas o feiticeiro Wagnard (se lembram dele da história anterior?) tem outros planos. No subsolo do castelo de Darktown ele planeja ressuscitar a Deusa da loucura e destruição, Kardis! Os objetivos dele não serão revelados aqui, é óbvio, mas para  seus feitos maléficos, ele precisa de dois objetos e uma linda sacerdotisa.

A história tem muito mais a oferecer, mas o que contei a vocês é uma boa base! Acompanhem agora a parte mais técnica do mangá dessa semana e obrigada por lerem até aqui!

Tecnicalidades de A lenda do Cavaleiro

Como dito anteriormente, eu possuo as edições das resenhas que tenho feito, então nada melhor que mostrar a vocês como a edição física é por fora e por dentro para que vocês decidam se vale a pena comprar ou não!

Quanto ao roteiro, eu tenho que dizer que foi o mangá mais longo de Lodoss, mas pareceu o mais curto depois de terminar a história e pensar sobre ela como um todo. Sempre que leio, visualizo tudo como um filme e pareceu tão rápido que chegou a deixar saudades. São seis edições recheadas de diálogos, intrigas e acontecimentos importantes e o trabalho feito pelo mangaká desta coleção foi excelente também, ele conseguiu adaptar e encaixar o que precisava com exímio e nos deu uma leitura agradável com uma história muito rica, que nos deixa com saudade no final.

heroic_knight_02_pg-_35Os personagens são bem conhecidos já, mas gostei de revê-los uma última vez e conhecer os rumos tomados. Quanto aos novos, eu gostei muito também. O senso de companheirismo, lealdade e amizade nessa história é muito forte e eu achei uma coisa muito linda de se ler. As emoções que eles expressam  durante a jornada e as decisões difíceis que eles tem que tomar e que pode levá-los a morte são passadas para os leitores de um modo muito comovente.

Definitivamente não é uma leitura que tu possa passar os olhos, ou não vai captar a magia dela.

heroic_knight_02_pg-_54O traço é excelente, ele é bem shounen, mas não perde sua beleza quando se trata das personagens femininas. Não tive problema nenhum em acompanhar perfeitamente todos os movimentos dos combates. Para os curiosos, o mangaká responsável por essa parte da franquia também é mangaká de outras obras, a maioria relacionada ao universo de Gundan pelo que eu vi. Se você gosta de sci-fi, dá uma procurada nas obras dele! Tem um excelente visual!

Considerações finais

heroic_knight_05_pg_122Sem dúvida uma conclusão a que cheguei e que foi a mais importante é a de que eu demorei demais para conhecer essa obra. Tendo obtido a coleção faz anos, eu nunca tinha dado atenção e sinceramente, achei que poderia ser meio chato e até mal feito por ser da panini de alguns anos atrás, mas fico feliz que estava errada.

Fisicamente ela deixa a desejar pelos motivos que citei no vídeo, mas ainda assim o problema é reparável, como ensinei a vocês no post sobre reparos básicos, lembram?

Gostei muito de ter essa história bem perto de mim e certamente Lodoss War tem um lugar no meu coração, que como uma biblioteca, está em constante expansão e pode abrigar muitos amores literários.

heroic_knight_11_pg_122Ler é se emocionar, ler é se envolver, ler é mergulhar em outro mundo e viver nele enquanto as páginas são folheadas, então se você aí jovem ou nem tão jovem leitor, quiser viver aventuras épicas inesquecíveis em Lodoss, seja meu convidado mais que especial!

Obrigada por acompanharem o blog, espero que tenham gostado dessa resenha e nos vemos na semana que vem, com um título novo a ser resenhado!

Anúncios
Esse post foi publicado em mangá, Resenha e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s