Resenha: Kindred

Olá, devoradores! Essa semana eu li um manhua (mangá chinês) que me surpreendeu! Não sou muito de ler manhuas, mas também nunca achei um tão interessante quanto esse. Quem estava sentindo falta de uma resenha de ação sobrenatural, vai ficar bem satisfeito!

•◈ •

Informações

Título: 血族王冠
Tipo:  Manhua
Gêneros: Ação, aventura, fantasia, sobrenatural
Capítulos: 12
Status: Andamento
Roteiro: Guang Zai
Arte: Guang Zai


•◈ •

Sinopse

Em um mundo onde humanos e vampiros coexistem perigosamente e uma raça quer exterminar a outra, existem também os Kindred, seres considerados vampiros que ainda mantém sua humanidade.

Rey Constantine é uma Kindred e está em uma jornada para recuperar um importante anel, parte de uma relíquia lendária que dá poderes extraordinários a quem as possuir e para isso ela terá que testar até onde consegue manter sua humanidade.

[• • •]

Roteiro e referências

“O mundo tem incontáveis lendas sobre vampiros. E escondendo-se na eterna neblina deste folclore, está um segredo que ninguém deve descobrir…

A coroa Kindred – O mais poderoso dos artefatos divinos.  Os ancestrais Kindred entraram em uma terrível guerra pela coroa.

A lenda diz que um Sábio removeu o fragmento divino da coroa, forjando com ele dez anéis que foram passados às gerações futuras de Kindred e os demon-touched batalharam pelos anéis por mais de mil anos.”

Kindred, p.2, cap.1

Dito isso, naturalmente imagina-se que algo deu errado e esses tais anéis se misturaram entre os vampiros que querem destruir a humanidade e tudo mais que se opõe a eles, não tendo mais que viver reclusos, ocultando-se atrás de uma máscara.

A história nos apresenta inicialmente a personagem Hikari, uma caçadora de vampiros hábil e uma ladra e tanto também. Por ter sofrido um grande trauma, caçar vampiros virou algo bem secundário, já que apesar dela ser capaz não consegue manejar um arco na frente de um ser das trevas como antigamente. Hikari é uma garota solitária e desconfia de absolutamente tudo e todos, mas sua atenção é garantida quando uma recompensa muito alta aparece por um anel bem específico. Ela parte em uma jornada até a mansão de um vampiro para recuperar esse anel, sabendo que pode nunca mais retornar. Em seu caminho ela encontra duas viajantes suspeitas que lhe pedem informação sobre sua jornada. Obviamente ela não vai dividir o prêmio nem o lucro e por isso colocou as duas mulheres no caminho totalmente oposto ao seu.

O erro ganancioso de Hikari leva a sua quase morte nas mãos do vampiro Lasombra Shylock. Se não fossem as duas mulheres aparecerem no último instante, sua vida teria mesmo tido um fim horrendo. A mulher mais alta e de corpo voluptuoso com grande habilidade de combate se chama Rey, ela diz ser Rey Constantine, de uma família de Kindred importante e que está atrás do anel de Shylock, sem intenção de matá-lo por ele se colaborar e a sua companheira se chama Taina e é a rainha dos Unicornites, uma raça sobrenatural também.

Salva pelas estranhas, Hikari reage inicialmente com hostilidade, afinal Rey é ao seus olhos uma vampira. Explicações dadas (não vou contar, é claro), as três partem em uma jornada por um único objetivo: o anel. Claro que cada uma tem seus motivos e Hikari está principalmente em dívida com as duas estranhas, mas a jornada é árdua e perigosa e a noite é uma criança insana.

O roteiro do prólogo feito em doze capítulos de Kindred é mais ou menos assim. Ao longo da leitura, fui percebendo as referências ao digno Vampiro – A máscara, um cenário para o sistema de RPG storyteller, criado pela white wolf e fazendo parte de um conjunto de cenários chamado ‘Mundo das trevas’. A história mostra vários pontos que condizem com as histórias de vampiro a máscara e o material é bem retratado, sem nenhum erro sem cabimento, mas sem se afundar totalmente nisso, em vista que o autor ainda tem uma história original em mente. Para quem gosta desse cenário, é um prato cheio ler esse manhua! 

[• • •]

Tecnicalidades

Como é uma leitura online, não teremos vídeo, mas ainda falarei do que pode-se observar através da leitura.

O traço é estonteante, eu fiquei cativada pela beleza que ele tem tanto nos momentos casuais quanto nas cenas de batalha. É de conhecimento geral que na hora da ‘pancadaria’ muitos autores não conseguem ser muito claros nas direções e golpes que formam a sequência de uma batalha, mas felizmente Kindred não cai nessa categoria! O traço é rico a todo momento e tem aquele ar sinistro dado com perfeição!

Quanto aos personagens, felizmente não temos muitos. Gosto quando tem poucos, mas bem desenvolvidos. Por ser um prólogo, não conhecemos ainda muito sobre o lado dos vampiros ou o lado dos anciões, mas aprendemos um pouco sobre o passado do trio de protagonistas que acompanhamos e somos provocados a querer mais sobre essa história do ponto de vista dos antagonistas.

O roteiro é satisfatório para um prólogo, achei bem interessante e espero ver mais em breve!

[• • •]

Deixarei agora os links para leitura. Não consegui encontrar em PTBR, então se vocês encontrarem, por favor me avisem!

Leia aqui em Inglês

Espero que tenham curtido, eu sei que eu adorei! Até a próxima, devoradores!

Anúncios
Esse post foi publicado em manhua, Resenha e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s